terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Raízes do amor

Nos rios do meu pudor
Não correm correntes
Que não são do amor.

A infecção mata a vida.
A vida que há em mim
Se evapora ríspida
Sem água lunar dentro.

O imã da carne faz a ocupação
Um vicio visceral incontrolável
Te suga ao centro da tentação.

O Homem que perde as raízes
as de dentro, aquelas da alma
se parece com um galho tombado
as folhas do passado secam.

Todo o fruto que dali colhi
eram para a criação do amor
Mesmo aqueles que estavam verdes
pela ansiedade e o pavor.

Não era a hora do apanhado
Esses frutos mordidos de prazer
deixando na água um manchado
E entristecem o meu ser!

Eu queria banhar na cachoeira...
E abaixo dela poder viver...
Sabe, sentir na queda do meu saber
quando sim e quando não morder.